domingo, 18 de dezembro de 2011

EXCESSO DE MASCULINIDADE AFETA A SAÚDE

Por Marcos Lopes


Muitos homens se julgam imunes às doenças, pois a masculinidade os distancia de qualquer possível sinal de fragilidade. Esse fator cultural faz com que se afastem dos consultórios médicos uma vez que foram criados para serem machos, porém, essa atitude está mudando. A necessidade de procurar um profissional não deve ser vista como algo sensível ou coisa de mulher.

No entanto, essa masculinidade pode ser comprometida por problemas de causas psicológicas ou orgânicas, stress, cansaço e a influência do álcool ou ainda, por alguma doença grave ou pela diminuição de testosterona. A dificuldade de ereção é uma doença e deve ser tratada, uma vez que deixa o paciente incapaz de manter uma ereção rígida com tempo necessário para a relação sexual.

Para tratamento da doença, surgiu no mercado farmacêutico em 1998, a droga anunciada pelos veículos de comunicação como uma revolução sexual, denominada Viagra (Citrato de Sildenafil), medicamento oral para ajudar e melhorar a eficiência sexual que deve ser tomado de 30 a 60 minutos antes do ato sexual, sua potência varia de acordo com a dosagem disponível em 25, 50 ou 100 mg, e o efeito pode durar de uma a três horas aproximadamente.

Quando comprovada a disfunção erétil o tratamento será realizado por meio de medicamentos receitados, para melhorar o desempenho do paciente. Em alguns casos é realizado por intermédio de injeção aplicada no pênis ou o implante de próteses penianas. Já em outros casos, é realizado apenas com aconselhamento psicoterápico, ajudando o paciente a superar o problema.

A dificuldade de ereção deve ser tratada em conjunto com esses especialistas, que juntos poderão diagnosticar se o problema é psicológico ou orgânico, pois às vezes pode ser consequência da diminuição de testosterona, cujo tratamento deve ser realizado por reposição hormonal.

Antes de começar usar o remédio, procure o médico e pesquise sobre os possíveis efeitos colaterais e complicações. Somente o especialista pode tomar decisões sobre dosagem e condição quanto à ingestão da pílula. E comprovada a doença, médico e paciente terão de refletir sobre o assunto, pois o problema deve ser tratado de acordo com o tipo de disfunção erétil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcos Lopes... Minha família... Minha vida!

Loading...

TEMPO

Google Hot Trends

ELVIS PRESLEY

Loading...

DOWLOAD FREE TOOLBAR GOOGLE-GAB

DUBLAGEM KIRKLOPEZ

Loading...

ESPN

Pesquisar este blog